fbpx
                       
Uma senha sera enviada para seu e-mail

Dieta: devo me preocupar com a alimentação do meu familiar idoso com doença renal crônica?

Mesmo o problema sendo no rim, é preciso cuidar da dieta/alimentação do idoso.

Seu familiar idoso fica com as pernas inchadas, cansado, sem apetite, com náuseas/vômitos e sobe a pressão arterial quando come carnes gordurosas, salgadas e para finalizar come aquele doce bem recheado? Vamos lá, não deixe de procurar um médico, pois essas alterações podem ser sinais da doença renal crônica, entre outras.  

A doença renal crônica vai se instalando lentamente e de forma progressiva. No Brasil e no mundo essa doença constitui um grande problema de Saúde Pública e é considerada uma epidemia silenciosa.

Os rins são órgãos importantes para a manutenção da saúde, pois eles fazem a limpeza do sangue, eliminando as toxinas e substâncias inúteis, controlam o nível de água do corpo e produzem hormônios que controlam a pressão arterial. Então, quando eles não estão funcionando adequadamente, podem ocorrer problemas no organismo, relacionados principalmente ao acúmulo de substâncias tóxicas que deveriam ser eliminadas na urina.

Neste momento, começa o tratamento conservador para conservar a função dos rins por mais tempo. Além do tratamento médico, as orientações de um profissional nutricionista podem ajudar o idoso a ter hábitos saudáveis, evitando que essa doença progrida rapidamente.

Então para ajudar a cuidar da alimentação do idoso com doença renal crônica, aqui vão algumas dicas nutricionais muito importantes:

  • Reduza a quantidade de proteínas nas refeições: dieta hipoproteica.
    As proteínas estão presentes em alimentos como: carnes, frangos, peixes, ovos, leites e derivados, e também nas leguminosas como: feijões, soja, grão de bico, ervilha, lentilha, etc. Comendo menos proteínas, os rins produzem menos toxina, principalmente ureia, auxiliando no tratamento e evitando que a doença progrida e que o idoso fique desnutrido, além de diversos outros benefícios. É necessário acompanhamento individualizado.
  • Reduza a quantidade do consumo de sódio: é indicado diminuir o consumo de sódio (sal) na comida, para ajudar no controle da hipertensão arterial (pressão arterial aumentada) e diminuir a retenção de líquidos no organismo (inchaço / edema). Outra orientação é evitar o consumo de alimentos industrializados, pois a grande maioria dos conservantes e aditivos químicos que estão nesses alimentos possuem sódio na sua composição.
    Dicas importantes: NÃO utilizar sal light  (nele o sódio é substituído pelo potássio, que também é prejudicial aos rins) e nem molho shoyu (que tem muito sódio)!
  • Para diminuir o consumo de sódio e a comida continuar saborosa, aqui vão duas receitinhas:
    GERSAL: é rico em fibras e proteínas, e ajuda no controle da pressão e da glicemia. Para fazer em casa junte 6 colheres (sopa) de gergelim torrado (5 min na frigideira) + 2 colheres (sopa) de sal grosso. Triture essa mistura e guarde num recipiente fechado e escuro. Validade em torno de 60 dias.
    SAL DE ERVAS: agride menos os rins e tem ação antioxidante. Para fazer em casa misture 3 colheres (sopa) de sal (comum ou grosso) com temperos secos como: alecrim, manjericão, manjerona, orégano, cheiro verde, sálvia, etc. Não precisa utilizar todos, escolha os que você gostar mais e guarde num recipiente fechado e escuro. Validade em torno de 60 dias.
  • Mantenha os níveis de Potássio: este nutriente requer bastante atenção, já que alguns remédios anti-hipertensivos podem aumentar as suas concentrações no sangue, e em casos de doença renal crônica, isso deve ser sempre monitorado. Na alimentação, o potássio está presente principalmente em alimentos vegetais: frutas, verduras e legumes. Alguns dos alimentos mais ricos em potássio são: melancia, melão, acerola, abacate, água de coco, goiaba, laranja, uva, mexerica, etc. Portanto, seja cauteloso e reduza a quantidade de consumo dessas frutas citadas acima.

E por fim lembre-se sempre, é imprescindível que o idoso com doença renal crônica seja acompanhado por uma equipe multidisciplinar, médico, enfermeiro, psicólogo, nutricionista, fisioterapeuta, entre outros.

E se precisar de mais informações sobre alimentação saudável, a Plug and Care oferece em seu e-shop um conteúdo digital sobre esse assunto.

Plug And Care – Conectando o cuidar
Conheça o nosso aplicativo